5 estratégias para iniciar uma conversa interessante

5 estratégias para iniciar uma conversa interessante

Começar uma conversa pode ser um verdadeiro desafio, especialmente para as pessoas mais tímidas. Há ocasiões em que queremos dar uma boa impressão ao nosso interlocutor, para não o aborrecer e evitar a todo o custo ficar sem argumentos. . Tudo sem cair naqueles terríveis silêncios embaraçoso que parece durar uma eternidade.

sensación de un agujero en el estómago



Saber conversar é uma verdadeira arte. Existem pessoas particularmente eloqüentes que parecem ter um verdadeiro dom para a conversa - elas conseguem inventar argumentos sobre tópicos com uma naturalidade assustadora, como se tivessem bonecos.



Para outras pessoas, puxar conversa é um pouco mais difícil, e isso pode levá-las a pensar que são desinteressantes ou não têm nada a dizer. Como resultado, podem entrar em pânico com a ideia de conhecer novas pessoas, adquirindo, por sua vez, maiores inseguranças. Mas tudo não está perdido. A arte da conversação pode ser aprendida com algumas técnicas simples.

Pessoas que acham difícil manter uma conversa interessante geralmente são aqueles que prestam mais atenção à opinião dos outros. Não são necessariamente menos interessantes ou sem experiências para contar, mas temem que o que dizem possa ser rotulado como 'absurdo' ou 'trivial'.



A realidade é que eles tendem a pensar muito sobre o que vão dizer, estabelecendo-se parâmetros muito altos: toda ideia parecerá desinteressante demais para contar e eles irão descartar tópico após tópico. E aqui eles se encontram sem nada a dizer, presos do mesmo silêncio que temem.

Estratégias para melhorar a conversa

Antes de passar a analisar as estratégias a serem adotadas para se tornarem melhores conversadores, uma coisa deve ser especificada: medo de julgamentos, censuras ou o críticas deve ser superado. A chave para o sucesso é começar a considerar a opinião dos outros pelo que ela é: uma opinião. Apenas o julgamento de outra pessoa que não necessariamente corresponde à realidade, pois se baseia em uma escala subjetiva de valores e também na experiência individual.

É bom ter em mente que todos somos suscetíveis à aprovação dos outros, a maioria de nós talvez de uma forma um pouco excessiva. Sair dessa condição nos levará a ser pessoas livres para fazer, pensar ou falar à vontade.



Nesse sentido, não devemos reter tudo o que passa pela nossa mente, mas sim expressá-lo em termos adequados, eliminando as partes que podem perturbar alguém. Não se trata nem de eliminar a prudência nas conversas. o Cuidado , que não é o mesmo que falta de assertividade ou covardia, é um grande valor que nos ajudará a fortalecer nossos relacionamentos.

A regra de onde, como, quando e por quê

Às vezes, as pessoas com quem falamos nos contam sobre uma experiência recente, como uma viagem. É possível que não saibamos exatamente como nos inserir na conversa, e é justamente nesses casos que podemos usar essa regra. Faça perguntas ao seu interlocutor usando estes quatro determinantes: Como você chegou a Paris, de trem ou de avião? Onde você ficou? Por que você foi, a trabalho ou de férias? Quando você foi lá? Nesse caminho, você aumentará as chances de que a conversa tome um rumo interessante.

Encontre pontos em comum com seu interlocutor

Basta prestar atenção na aparência do outro e a partir daí tentar deduzir do que ele gosta (se, por exemplo, ele veste uma camiseta de grupo Rocha que também gostamos) ou simplesmente pergunte a ele. Encontrar pontos em comum é um elemento-chave para tornar a conversa mais interessante e ser capaz de criar um vínculo . Todo mundo gosta de conversar com quem se parece com ele, e esse tipo de troca pode ser enriquecedor para vocês dois.

E se não tivermos nada em comum?

Nesse caso, você terá uma excelente oportunidade de aprender algo novo. Imagine que você tem uma conversa com alguém que fala com você sobre jardinagem e você não sabe nada sobre isso. Comece a fazer perguntas como 'Sempre quis me aprofundar neste tópico, você pode me dizer a diferença entre a planta X e Y?'. Eventualmente, você terá aprendido algo conversando. Seu interlocutor perceberá que você não conhece o assunto, mas tem interesse, e isso será o suficiente para criar um vínculo.

Interesse-se pela vida dele (mas com discrição)

Afinal, quase todos amamos quando os outros nos fazem perguntas sobre nossa vida, pois os seres humanos, por natureza, gostam de falar sobre si mesmos e apreciam as (poucas) oportunidades para fazê-lo. Algumas perguntas que você pode fazer e que podem desencadear uma variedade de tópicos de conversa são: De quais filmes você gosta? Que música você ouve? Você gosta de viajar? Você tem irmãos? Você gosta da natureza? E assim por diante. Qualquer coisa que vier à sua mente.

Apenas evite as perguntas sobre sua situação romântica (você pode dar a impressão de estar tentando), seu trabalho ou seu salário (para alguns pode ser frustrante, talvez porque desempregado ou recentemente despedido), bem como na formação acadêmica (o calcanhar de Aquiles de muitos).

Conheça os tópicos mais atuais

É uma excelente estratégia que pode desencadear longas conversas. Pergunte ao seu interlocutor se ele viu o último debate político e qual a sua opinião sobre o mesmo ou se recentemente viu um novo filme a recomendar. Antes de participar de qualquer evento social, atualize os papéis e prepare 4 ou 5 tópicos de conversa para sugerir.

Listamos algumas estratégias que você pode começar a usar para manter uma conversa interessante, evitando silêncios constrangedores. Não se esqueça, porém, que o mais importante é não dar muito valor à opinião alheia e que você também tem o direito de se expressar, sempre com respeito pelos outros.

A conversa mais difícil é aquela antes de você morrer

A conversa mais difícil é aquela antes de você morrer

A conversa mais difícil é aquela antes de você morrer. Como dizer adeus?