Autismo na idade adulta: desafios psicológicos e sociais

Pessoas com transtorno do espectro do autismo representam cerca de 1% da população. Os adultos com autismo, além de serem socialmente sensíveis, também precisam de suporte psicológico específico para viverem melhor.

Autismo na idade adulta: desafios psicológicos e sociais

Quando falamos sobre o transtorno do espectro do autismo, tendemos a pensar sobre os desafios e necessidades dos mais pequenos. Sabemos que o diagnóstico precoce melhora o desenvolvimento e a qualidade de vida, mas quais são as consequências do autismo na idade adulta? Que necessidades, que tipo de suporte e estratégias um homem ou mulher com esta condição neurobiológica requer?

película sobre el síndrome de Asperger



Como os critérios diagnósticos melhoraram na década de 1990, é possível diagnosticar crianças com TEA em centros educacionais. Graças a isso, muitos adultos puderam dar uma explicação sobre seus comportamentos, uma resposta às suas características particulares e a origem de seus limites.

Um detalhe que não podemos ignorar é que é um transtorno do desenvolvimento que abrange um amplo espectro de características e necessidades. Existem casos de pessoas com Síndrome de Rett e com síndrome de Asperger.

Pode haver adultos com autismo altamente funcional e adultos com alto grau de dependência, com limites severos de comunicação , problemas de interação social e comportamentos reiterativos. Em todos estes casos, a assistência psicológica e social, assim como o direito à inclusão são os pontos-chave que nunca devem ser esquecidos.

O autismo na idade adulta é uma realidade que deve se tornar visível para que possa receber as respostas de que necessita. Só assim será possível alcançar a plena consciência e bem-estar que todos merecem. Vamos descobrir mais.

Os dados estatísticos nos dizem que muito provavelmente cerca de 1% da população se enquadra no transtorno do espectro do autismo. Um diagnóstico precoce e apoio psicológico adequado podem melhorar o futuro desta grande parte da sociedade.

Autismo na idade adulta

Autismo na idade adulta: quais são as necessidades?

É importante saber que a vida adulta tem sido negligenciada por pesquisas sobre transtornos do espectro do autismo (TEA). Felizmente, nos últimos anos, considerável interesse tem se desenvolvido sobre o assunto e hoje temos mais dados, recursos e conhecimento.

Tudo isso se traduz em um grande objetivo: oferecer uma resposta clara e especializada a cada indivíduo, de acordo com suas necessidades. No entanto, no contexto da prática clínica, há um problema: alguns adultos com autismo altamente funcional ainda não sabem que sofrem dessa condição.

São pessoas independentes, com responsabilidades profissionais e planos de vida, que muitas vezes têm a sensação de que algo está errado com elas. No entanto, problemas de interação social, hipersensibilidade a estímulos e ansiedade tendem a limitar seriamente suas vidas. Sobre isso, devemos saber que não existem dois pessoas com SLD que têm as mesmas características.

No entanto, além das características únicas de cada indivíduo, o autismo em adultos interfere na realidade cotidiana. O diagnóstico e uma terapia precoce e personalizada são garantia de mudanças, melhorias e bem-estar. Então, vamos ver quais desafios eles apresentam e que tipo de assistência precisam.

Consulte psicólogos com experiência em ASD (transtorno do espectro do autismo)

Se temos um familiar adulto com autismo ou se suspeitamos que podemos nos enquadrar nesse espectro, o melhor a fazer é buscar experiência profissional nessa área. Em que um psicólogo licenciado pode nos ajudar?

  • Para realizar uma avaliação completa identificar os pontos fortes e, acima de tudo, as necessidades cognitivas, comportamentais e emocionais do adulto com autismo.
  • As entrevistas serão realizadas com as pessoas mais próximas do paciente.
  • Você precisará se submeter a exames médicos para descartar outras condições.
Psicólogo e paciente

Autismo na idade adulta e terapias

A intervenção psicológica em adultos com autismo sempre dependerá das necessidades particulares do paciente. Então, para dar um exemplo, vamos falar sobre os seguintes aspectos:

  • Adoção de novos hábitos no dia a dia.
  • Mudar certos comportamentos promover integração, bem-estar e comportamento social.
  • Praticar rotinas funcionais para que o adulto com autismo tenha um senso adequado de segurança e autonomia.
  • Promova a entrada no mundo do trabalho.
  • Preste atenção a dimensões como ansiedade ou transtornos de humor , como depressão. Não nos esqueçamos, então, que esta realidade acarreta inúmeros desafios emocionais. É por isso que terapia cognitiva comportamental é particularmente adequado nestes casos.
  • A psicoterapia individual também é extremamente útil. Um homem ou mulher com ASD precisa cuidar de seus relacionamentos em um nível emocional, familiar e até profissional.
  • Não vamos esquecer que algumas pessoas com autismo têm deficiências cognitivas muito graves. Podem surgir problemas de comportamento, onde o apoio psicológico é essencial.

Apoio da família e entes queridos

E por último mas não menos importante, falar sobre autismo na idade adulta também significa levar em consideração o contexto familiar . Pais, mães, companheiros, filhos ... Saber como agir ou simplesmente tomar consciência do que é o transtorno do espectro do autismo é, por sua vez, um passo fundamental para facilitar a vida do paciente.

el celular duele el cerebro

Deste ponto de vista, os psicólogos representam aquela ajuda e apoio quotidiano a que se pode recorrer e para a qual se podem revelar medos, dúvidas, ansiedade e stress ... A realidade pessoal deste grupo heterogéneo é complicada e única, mas existem estratégias e pessoal especialista capaz de ajudar e favorecer, aos poucos, uma melhor qualidade de vida.

Mitos sobre o autismo: 6 para dissipar

Mitos sobre o autismo: 6 para dissipar

Existem vários mitos sobre o autismo que sobreviveram ao progresso científico e que o fizeram crescendo em sociedade.