Problemas de memória: quando se preocupar?

Problemas de memória: quando se preocupar?

Esquecer algumas coisas é normal e acontece com todos, mas com o tempo o esquecimento pode se tornar um pouco mais doloroso. Ocorre que, além do próprio esquecimento e das maiores ou menores repercussões que eles têm no nosso cotidiano, há também a preocupação lógica com as causas que os causam.

Muitas vezes o esquecimento de coisas, mesmo que comuns e do dia a dia, além de um funcionamento incorreto da memória, pode nos fazer suspeitar que sofremos de alguma doença mental, como o mal de Alzheimer. Por isso, neste artigo, pretendemos analisar as diferenças entre o esquecimento normal e diário (que não são sintoma de nenhuma doença, pelo contrário) e a perda de memória nos primeiros estágios de uma doença mental.



Por que a memória é perdida?

O esquecimento de algo geralmente é o resultado da vida cotidiana. Nossa memória está sempre funcionando, mas também acaba se acostumando com a rotina que domina nossa vida. Conforme a rotina muda, novos conhecimentos fazem com que os antigos sejam menos levados em consideração pelo cérebro.



las aprobaciones que se recogen

As compras semanais são uma excelente prova disso: se mudarmos de produto ou adicionarmos alguns novos, os que compramos antes são rejeitados da nossa memória de curto prazo; desta forma, esquecemos os ingredientes que foram e continuam a ser essenciais.



Não lembrar um rosto, um nome ou esquecer de comprar algo é um esquecimento comum, mas se nos esquecemos de fazer todas as compras, por exemplo, é muito provável que possamos começar a falar de perda de memória.

A perda de memória pode estar enraizada em vários fatores, incluindo:

- Estresse agudo



- Depressão

- Menopausa

- Trauma crânio-encefálico

- Abuso de drogas ou álcool

- Doenças como hipertensão

- Colesterol alto

- Algumas doenças hepáticas

- Distúrbios da glândula tireóide

Quando devemos começar a nos preocupar?

A seguir, explicamos em detalhes os sintomas que podem ser motivo de preocupação:

• Não sermos capazes de resolver problemas ou tomar decisões que costumamos tomar.

la vida esta en la mente

• Experimentando confusão sobre hora e lugar. Se nosso cérebro usa memória de longo prazo e situações distantes no tempo, em vez de usar memória de curto prazo. O exemplo por excelência é o de uma pessoa aposentada há muito tempo, que de repente começa a se vestir de manhã para ir trabalhar.

• Mudanças repentinas de personalidade e humor.

• Não se lembra de nada sobre os lugares ou ações realizadas recentemente, especialmente se essas ações precisaram de muita atenção. É normal que a execução de processos automáticos, como dirigir, crie lacunas na memória durante o período em que os realizamos, porque trabalhamos cognitivamente outros aspectos.

• Ter dificuldade em aprender novas palavras, escrever ou ler.

• Ter dificuldade em realizar tarefas com as quais estávamos muito familiarizados.

cómo defenderse de la proyección psicológica

• Perder-se ou sentir-se confuso ao fazer os percursos habituais ou ao passar por locais bem conhecidos.

Memória terminada em breve

Como você pode deduzir, a chave para diferenciar esquecimento, perda de memória e doenças degenerativas cognitivas, como Alzheimer, é a memória de curto prazo.

Se você perceber que seu cérebro usa a memória de longo prazo para processar informações recentes, ao invés de recorrer à referência lógica oferecida pela memória de curto prazo, e continua repetindo esse tipo de padrão, sem dúvida você deve procurar atendimento médico.

Se voce esqueceu de comprar leite hoje sim é apenas fazer mais atividade física (pelo menos 30 minutos por dia) para oxigenar bem o cérebro, bem como atividades que estimulam os processos cerebrais, como ler, jogar xadrez, resolver palavras cruzadas, fazer contas mentais, etc.

No entanto, considere uma coisa muito importante: se puder, tente reduzir seus níveis de estresse. Todas essas dicas irão ajudá-lo a manter seu cérebro ativo e sua memória 'fresca'.

O que fazer?

Em suma, existem certos esquecimentos que podem ser classificados como normais (por exemplo, onde deixamos as chaves ou um documento) e que podem ser causados ​​pelo stress, uma vida agitada e cheia de preocupações, distrações e cansaço. Essas omissões, em geral, não são sérias e, portanto, não devem ser motivo de preocupação.

Pelo contrário, existem outras situações às quais devemos estar atentos e não ignorar. Se começar a notar que não consegue lembrar o que comeu no dia anterior, o nome do livro que terminou de ler há alguns dias, se esquecer completamente uma consulta importante que havia planejado com antecedência, provavelmente precisará de uma consulta médica. .

É muito importante esclarecer que nem todos os casos de perda de memória implicam no desenvolvimento posterior de Alzheimer ou de outras doenças da mesma natureza. No entanto, se você começar a notar esses sintomas com frequência, em você ou em um membro da família, é melhor consultar um especialista. para determinar se estamos enfrentando os estágios iniciais de um processo degenerativo ou se é apenas uma perda de memória que podemos recuperar por meio de terapias adequadas.

Imagem cortesia de Christian Bucad

Alzheimer CÉREBRO memória