Efeitos dos pesticidas no cérebro

Devido aos altos níveis de toxicidade, os efeitos dos pesticidas no cérebro podem ser particularmente prejudiciais após exposição prolongada.

Efeitos dos pesticidas no cérebro

Todos os anos a indústria química retira centenas de produtos que até então pareciam seguros. A ciência parece confirmar os efeitos dos pesticidas no cérebro e os danos que podem causar.



Os pesticidas constituem um grande grupo de compostos químicos heterogêneos. Apesar dos grandes benefícios que trazem para a agricultura, também representam um grande risco para a saúde. Neste artigo, tentaremos entender o que efeitos dos pesticidas no cérebro humano.



Utilizados na agricultura para erradicar insetos, ervas daninhas, fungos ou roedores, os pesticidas favorecem o aumento da produção. Mas há uma desvantagem: os efeitos dos pesticidas no cérebro e o enorme risco para a saúde.

Hoje estamos continuamente expostos a muitos produtos químicos . Os estudos de laboratório muitas vezes não são realizados em profundidade o suficiente para descartar os efeitos tóxicos. Às vezes, de fato, o próprio pesticida não é prejudicial, mas torna-se prejudicial em combinação com outras substâncias. A longo prazo, esses compostos têm consequências devastadoras para o corpo.



Os efeitos dos pesticidas são particularmente graves em crianças. A exposição a substâncias químicas contaminantes, mesmo em níveis baixos, pode afetar o desenvolvimento do cérebro. Isso também acontece durante a gestação. Obviamente, quanto maior o tempo de exposição, maior o dano.

Algumas dessas substâncias contribuem para o aparecimento de doenças permanentes, incluindo i déficit de atenção . O cérebro em desenvolvimento é muito vulnerável aos efeitos das substâncias químicas.

Uso de pesticidas na agricultura

Efeitos dos pesticidas no cérebro: os primeiros estudos

Em 1962, o biólogo conservacionista Rachel Carson publicou o livro Primavera Silenciosa. Desde então, é considerado o primeiro livro que contribui para a formação da consciência ambiental moderna. Pela primeira vez, os efeitos nocivos dos pesticidas no meio ambiente foram abordados. A questão alarmou a população dos Estados Unidos, tanto que o governo americano foi obrigado a proibir o uso do DDT.



nunca dejas de conocer gente

Nas décadas de 1970 e 1980, vários estudos abordaram os efeitos dos pesticidas no cérebro. Um grupo de cientistas conseguiu mostrar que a exposição prolongada a pesticidas organoclorados produz alterações no sistema nervoso central (SNC).

Consequências da exposição prolongada a pesticidas

Os pesticidas são tóxicos para humanos e animais. Na verdade, algumas toxinas são tão fortes que uma dose mínima é suficiente para ser fatal. Existem também toxinas menos agressivas que não causam danos imediatos. Nestes casos, porém, o risco é constituído pela exposição prolongada à substância.

As toxinas dos pesticidas podem permanecer no corpo por muito tempo, causando diversas reações. Essas reações dependem de vários fatores: a duração da exposição, o tipo de pesticida e a resistência pessoal a produtos químicos.

Pesticidas e Alzheimer

Numerosos cientistas em todo o mundo se dedicam ao estudo desta difícil doença neurodegenerativa. Graças às suas pesquisas, vamos conhecendo cada vez melhor.

Revista JAMA Neurology tem publicou um estudo em que a relação entre o meio ambiente e o Alzheimer . O estudo foi capaz de determinar que a exposição a pesticidas como o DDT aumenta o risco de aparecimento da doença. Usado nos Estados Unidos até 1972, o DDT também foi proibido na Itália em 1978. Era geralmente usado contra parasitas e para processar uma substância chamada dicofol.

Para confirmar a relação entre Alzheimer e pesticidas, foram analisados ​​2 grupos de pacientes que sofrem desta doença neurodegenerativa. O estudo mostrou que os pacientes com altos níveis de pesticidas no sangue sofreram comprometimento cognitivo mais grave do que outros. Já os integrantes do segundo grupo, embora manifestassem a doença, não apresentavam toxinas no sangue.

São dados muito interessantes sobre os efeitos dos pesticidas no cérebro, mas só podem explicar alguns casos de Alzheimer. No entanto, eles destacam a relação direta entre os pesticidas e essa temida doença neurodegenerativa.

Relação entre pesticidas e Alzheimer

Pesticidas e autismo

Apesar de possuir um importante componente genético, o autismo também é influenciado pelo ambiente . Um dos fatores de risco que aumenta as chances de sofrer é a exposição a agrotóxicos durante a gravidez. Um estudo da Universidade da Califórnia destacou a relação entre a exposição a essas e outras substâncias tóxicas e a gravidez

De acordo com estudos, os pesticidas podem alterar principalmente a metilação do DNA da placenta. Isso altera o desenvolvimento do feto. Além disso, as chances de sofrer de autismo aumentam exponencialmente.

Pesticidas e Parkinson

Mesmo o Parkinson é uma doença neurodegenerativa crônica. Ocorre devido à destruição de neurônios que atuam no sistema nervoso central, e suas causas ainda são desconhecidas. A importância desses neurônios reside no fato de eles usarem a dopamina como seu neurotransmissor primário. E é graças à dopamina que nosso corpo recebe as informações de que precisa para se mover.

Durante um estudo, o Dr. Francisco Pan-Montojo e sua equipe de cientistas confirmaram o que já se imaginava: um dos efeitos dos agrotóxicos no cérebro é o aumento das chances de sofrer de Parkinson. Mas vários outros estudos epidemiológicos chegaram às mesmas conclusões. Em resumo, existem algumas substâncias tóxicas que podem causar os sintomas desta doença.

el jefe no me considera

É claro que o uso de agrotóxicos é um tema que gera debate. Além disso, parece que os estudos estão cada vez mais confirmando os efeitos nocivos desses produtos. Por um lado, essas são substâncias essenciais para a agricultura moderna. Por outro lado, agora é reconhecido que eles causam doenças graves. Mas então, vale a pena usá-los? O debate é sempre acalorado, assim como as pesquisas sobre o assunto.


Bibliografia