O direito de decidir é meu

O direito de decidir é meu

A vida é uma constante tomada de decisões. Desde o momento em que nos levantamos até quando vamos dormir, enfrentamos uma infinidade de situações em que temos que escolher . Às vezes, a escolha é simples: o que devo vestir hoje? O que eu preparo comer ? Mas outras vezes, decidir entre uma alternativa e outra envolve mudanças substanciais em nossa vida.

As circunstâncias variam com base nas opções que consideramos. Somos nós que moldamos nossas vidas e personalidades de acordo com o que fazemos. Escolher quais estudos fazer, a que trabalho nos dedicar, onde queremos morar ou com quem queremos estar são decisões importantes que afetarão nosso presente e nosso futuro.



Seríamos nós iguais se em vez de termos escolhido determinado curso ou determinada profissão tivéssemos feito outra coisa? O que teria acontecido se, depois de conhecer essa pessoa, a tivéssemos deixado ir? Como seria nossa vida se não tivéssemos acabado com o que não existe mais?



padres que insultan a sus hijos

Eu decido as coisas que me preocupam

É óbvio que não podemos deliberar sobre tudo o que acontece no mundo. Você tem que entender quem decide o quê. Não temos poder sobre aspectos que não nos incumbem e, assim como os outros devem respeitar nossas opções, nós também devemos respeitar as deles. escolhas .



Contudo, existem questões que nos dizem respeito diretamente. Decisões que só nós podemos tomar, porque elas só nos afetam. Com quem queremos estar, quem queremos deixar, o que fazer do nosso tempo ou do nosso corpo ... São questões que cada um de nós pode e deve decidir.

direito-decidir-2

Mesmo quando não queremos decidir, estamos decidindo. É o paradoxo do ser humano: ele comunica continuamente suas intenções, mesmo quando não quer. Não tomar uma decisão é uma decisão em si: a decisão de adiar ou não fazer algo.

Só eu sei minhas circunstâncias

Há ocasiões em que, quando fazemos ou dizemos algo, nos sentimos julgados pelos outros. É possível que o que queremos fazer não seja compartilhado por aqueles que nos cercam e isso pode levar as pessoas ao nosso redor a optar por expressar sua opinião sobre o que devemos ou não devemos fazer.



Apesar de suas boas intenções, temos que decidir. Podemos pedir conselhos aos outros e ouvi-los com paciência, mas quando teremos que escolher o responsabilidade será só nosso.

direito-decidir-3

Só nós conhecemos nossas circunstâncias. Podemos dar nossas roupas para que outras pessoas experimentem as mesmas sensações que nós por um segundo, mas será apenas um momento efêmero. Só nós sabemos o que significa trilhar nosso caminho todos os dias, só sabemos onde estamos e que direção devemos tomar.

A decisão é minha, certa ou errada

Quando temos que tomar decisões importantes, hesitamos. Quando contemplamos as diferentes opções, é normal que surjam algumas dúvidas, faz parte do ser humano. Eles não existem certezas absoluto, ninguém nos garante que a nossa decisão é boa ou má; não há como saber se uma opção é certa até que a escolhamos.

pintor de venecia padre de pintores

Uma vez tomada a decisão, ela pode ser boa ou ruim, mas nunca descobriremos o que vem pela frente, a menos que demos o primeiro passo. Sempre haverá dúvidas e o risco de errar. A única maneira de não errar é não fazer nada, não decidir, não escolher, não avançar.

direito-decidir-4

Temos o direito de decidir por nós mesmos sobre as coisas que nos afetam diretamente. Devemos respeitar os outros em suas decisões, assim como eles devem nos respeitar e, acima de tudo, seja qual for a escolha que fizermos, o mais importante é que realmente seja o que queremos fazer.

'É muito melhor estar errado como um homem livre do que estar certo como um prisioneiro.'

(Thomas H. Huxley)