A linguagem nos ajuda a fazer as coisas acontecerem

A linguagem nos ajuda a realizar nossos desejos porque tem o poder de mudar as coisas. Isso nos empurra para a ação e nos permite esclarecer quem somos, o que queremos e quais são os nossos limites.

A linguagem nos ajuda a fazer as coisas acontecerem

A linguagem nos ajuda a fazer as coisas acontecerem, e isso porque tem um grande poder. Graças a este recurso, não só podemos descrever diferentes realidades, mas também as geramos. Como a palavra nunca é neutra, ela deixa uma marca e nos impele à ação.



la sonrisa de un niño



Além disso, a nossa voz cria laços ou estabelece distâncias, clarifica conceitos e ajuda a concretizar a nossa identidade. Ludwig Wittgenstein, conhecido filósofo, matemático e linguista, costumava dizer que os limites do mundo são definidos por nossa linguagem.

À primeira vista, esta expressão é bastante preocupante e esconde um testemunho curioso. Nossa realidade é percebida e descrita pelas palavras que usamos na vida cotidiana.



A linguagem nos ajuda a definir

Por exemplo, chamamos de órfãos as crianças que perderam os pais. Chamamos de viúvo ou viúvo qualquer pessoa que perdeu o cônjuge. No entanto, a maioria das línguas ele ainda não deu um nome para aqueles pais que perdem seus filhos e o mesmo vale para alguém que perdeu um irmão.

Consequentemente, existe um vazio em nossa realidade; há figuras invisíveis e sofrimentos que não têm nome, mas que ainda estão presentes na realidade cotidiana em todo o mundo.

Além disso, todos nós experimentamos emoções que ainda não têm nome. Experimentamos sensações, ansiedades e prazeres que nem sempre têm lugar entre as palavras de um dicionário.



Contemplamos características da natureza e da vida diária que nossa mente não consegue expressar por meio da linguagem , mas que, no entanto, existem. Por isso, às vezes nos perguntamos com certo espanto se alguém já se sentiu da mesma maneira, se isso é permitido. experimente este sofrimento que não é descrito nos livros, que não é definido por um rótulo ou gênero ou tempo verbal.

O revolucionário é aquele que consegue se revolucionar.

-Ludwig Wittgenstein-

Mundo da fantasia

A linguagem nos ajuda a fazer as coisas acontecerem: etapas a serem executadas

A linguagem nos ajuda a fazer as coisas acontecerem. Para que isso aconteça, no entanto, é necessário realizar certos gestos, implementar certas estratégias que promovam mudanças e realidades mais gratificantes e felizes.

Já sabemos que aquilo a que não chamamos parece não existir ou permanecer em um espaço incerto, onde a pessoa acaba lutando com seus problemas.

mi diario de emociones

Os lingüistas afirmam que a linguagem não determina o pensamento. Isso quer dizer que, como dissemos, muitas sensações e experiências ainda não foram traduzidas em palavras. A análise psicológica, entretanto, nos permite afirmar que a linguagem estimula a ação , desde que sejam tomadas algumas medidas.

Primeira medida: nossa língua fala de nós, preste atenção em como falamos

Paul Anwandter, conhecido autor de vários livros sobre coaching e especialista em programação neurolinguística, ele nos diz que os humanos criam a si mesmos por meio da linguagem. Somos o que dizemos sobre nós mesmos, somos o que faremos, a maneira como nos descrevemos e como nos comunicamos com os outros. Nós também somos o que escolhemos para permanecer em silêncio e permitir que as pessoas saibam.

Temos, portanto, uma oportunidade: a de nos transformarmos por meio da linguagem. Para que isso aconteça, podemos levar em consideração as seguintes dimensões:

  • Precisamos falar conosco com uma atitude positiva e respeitosa. Eu estudo isso conduzido na Universidade do Texas pela Dra. Kristin Nef nos diz que a comunicação amorosa com nós mesmos nos permite cuidar de nossa identidade e auto-estima.
  • A comunicação com os outros também deve ser respeitosa; além disso, o que damos aos outros também tem um impacto sobre nós. Uma palavra ruim tem um preço emocional em todos os lugares.
  • Se quisermos gerar uma mudança em nós, nossa linguagem terá que estar em sintonia com esse objetivo. Vamos evitar o 'não posso, isso não é para mim, com certeza vou falhar, os outros farão melhor do que eu, etc.'
A linguagem nos ajuda a nos comunicar

Segunda medida: a linguagem transforma, você cria sua realidade

A linguagem nos ajuda a agir porque é capaz de transformar os acontecimentos. Gera possibilidades, nos torna mais firmes em nossas posições e nos motiva a persistir. Para melhor compreender este conceito, daremos alguns exemplos:

  • A linguagem é ação porque determina o pensamento: amanhã vou entrar naquele concurso, amanhã vou ligar para essa pessoa para pedir um encontro, hoje vou dizer ao meu chefe que não vou mais permitir que ele se comporte dessa forma (…) Essas frases nos definem e, em muitos casos, nos estimulam a atingir esses objetivos.
  • A linguagem cria possibilidades: se diga não' para alguém, você está fechando uma porta em sua vida. Se você disser 'sim' a um projeto, estará abrindo novas portas.
Casal conversando com tealights

Terceira medida: confiança e ação

Se quisermos iniciar uma mudança, se aspiramos nos sentir melhor, resolver um problema ou atingir uma meta, precisamos de um bússola interna . Uma bússola que aponta para o norte, onde se encontram a confiança e a ação. Porque se não nos comprometermos com nós mesmos, com constância e perseverança, não haverá movimento.

A linguagem nos ajuda a agir apenas se formos corajosos. Devemos estar dispostos a exigir sem medo o que queremos, a esclarecer o que não queremos, a perseverar diante das dificuldades, incitando-nos com palavras significativas.

Concluir, nunca devemos hesitar em nomear o que sentimos e queremos. A linguagem é nossa melhor ferramenta de ação. Devemos usá-lo com o propósito de construir relacionamentos melhores, resolver problemas e ser sempre consistente com nossos pensamentos e ações.

Linguagem corporal não mente

Linguagem corporal não mente

Alguns especialistas nos ajudam a resolver esse dilema apontando as situações em que é mais fácil interpretar a linguagem corporal.


Bibliografia
  • Echevarría, Rafael (2012) Ontologia da linguagem. JC Sáez Editor
  • Fausey CM et al. (2010): Construindo Agência: O Papel da Linguagem. Front Psychol 1: 162.
  • Bylund E & Athanasopoulos P (2017): The Whorfian Time Warp: Representando a duração através da ampulheta da linguagem. J Exp Psychol Gen. 146 (7): 911-916.